Crítica: ”O jogo da mentira”

imagem via

 

Quatro amigas. Um segredo do passado. Uma cidade pequena. Uma ovelha morta.

Em ”O jogo da mentira”, nada é o que parece. A trama começa com Isa, que acabou de se tornar mãe da fofinha Freya. Casada e morando em Londres, ela recebe uma mensagem de sua amiga Kate que a assusta. A mensagem só diz: ”Preciso de vocês”. Desse modo, Isa, junto com Thea e Fatima, largam tudo e viajam para a cidade de Salten, que fica no litoral.

Na adolescência, quando as quatro se conheceram, estudavam no colégio Salten House.
Cada uma lidando com um drama, as amigas inventam o ”jogo da mentira”, que consiste em contar uma história falsa tão bem que ela parece verdadeira. Esse ”joguinho” é capaz de despertar as piores sensações nas alunas da escola. Mentiras cruéis, que podem destruir reputações para sempre. Acusações sérias, que envolviam assédio e morte. Qual o sentido daquilo? O que elas iriam ganhar? Como elas não souberam quando parar de brincar?

Agora, as quatro precisam lidar com uma verdade inconveniente: um osso humano foi achado no rio Reach, perto de onde Kate mora, na casa que foi de seu pai. A notícia é divulgada na comunidade e as quatro amigas podem estar envolvidas nessa história. O que fazer agora? Fatima agora é médica e tem uma família que precisa dela, e Isa trabalha no governo, tendo acesso a informações sigilosas. Uma investigação poderia acabar com tudo o que construíram desde que saíram do colégio… Assim como as ondas do mar, tudo que vai, pode voltar um dia. 

No início, o livro é calmo e nos leva a uma viagem ao passado, mostrando os primeiros momentos no colégio, os pensamentos das meninas, o relacionamento entre elas, as descobertas sexuais e as primeiras mentiras. Com o passar da trama, o clima vai ficando mais sombrio, e as páginas finais são um thriller alucinante, impossível de largar. As personagens são bem escritas, com personalidades bem delineadas.
O estilo de escrita da britânica Ruh Ware é parecido com o de Paula Hawkins (”A garota no trem”) e Gillian Flynn (”Garota exemplar”, ”Objetos cortantes”), consagradas nos últimos anos.
Se você gosta de histórias de crime e mistério, ”O jogo da mentira” é o livro ideal pra você.

 

 

Cotação: Muito bom

 

título: O JOGO DA MENTIRA
idioma: Português
encadernação: Brochura
formato: 16 x 23
páginas: 352
ano de edição: 2019
edição: 
autor: Ruth Ware
tradutor: Alyda Sauer