A lavanderia

Depois dos ótimos “Sexo, Mentiras e Videotape,“Erin Brockovich, Uma Mulher de Talento’’, ‘’Onze homens e um segredo’’ e ‘’Logan Lucky’’, para citar alguns, Steven Soderbergh, ganhador do Oscar e do Emmy, conquistou o mundo e seus trabalhos sempre despertam curiosidade.

. Em ‘’A Lavanderia’’, sua estreia da Netflix, ele lança sua mira sobre um dos maiores escândalos financeiros dos últimos tempos, o chamado Panama Papers, cujos desdobramentos atingiram até a Operação Lava-Jato, no Brasil.

Após um terrível acidente que matou seu marido, Ellen Martin (Meryl Streep) precisa  resolver uma situação ligada a algumas fraudes no seguro da empresa responsável pelo fatídico desastre.
Desse modo, a simpática senhora irá embarcar em uma investigação que denunciará um esquema bilionário armado por dois desonestos e carismáticos advogados, Jürgen Mossack (Gary Oldman) e Ramón Fonseca (Antonio Banderas).

Vendendo empresas de fachada e atuando nas brechas da lei através de offshores, o Panama Papers revelou ao mundo de que maneira muito dinheiro, muito poder e, acima de tudo, ganância extrema sustentam a corrupção e adubam as grandes sujeiras do sistema financeiro. O filme poderia ser chato, mas a edição esperta, que lembra um pouco a ‘’A Grande Aposta’’ (2015), dá o tom do longa. Todos os atores estão muito bem em cena, e Soderbergh acerta mais uma vez.

 

Cotação: Bom